Hallberg exige providências em relação as mais de 100 mil consultas e exames em espera em Cascavel

O vereador Fernando Hallberg (PDT) encaminhou ao Doutor Ângelo Mazzuchi Santana Ferreira, promotor titular da 9ª. Promotoria de Justiça, denúncia relativa ao descaso com a população que depende do SUS (Sistema Único de Saúde) de Cascavel e do estado. Na cidade, somando os dados municipais e estaduais, há mais de 100 mil procedimentos para serem realizados, dentre eles, consultas e exames de alta complexidade; e consultas e exames de média complexidade. (Os dados são de 24/07/2019).

A equipe do gabinete solicitou através do requerimento n. 298/2019, para a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), informações sobre as consultas e exames na cidade, pois o vereador recebe diariamente questionamentos da população sobre o tempo na fila de espera para os mais variados procedimentos (consultas, exames e cirurgias). (Você pode conferir todos os dados nas tabelas em anexo neste conteúdo).

A assessoria parlamentar analisou as consultas de alta complexidade e notou que há pacientes aguardando desde agosto de 2014 encaminhamento para, por exemplo, ortopedia, com 1,5 mil pacientes na fila. Ainda foi constatado pacientes aguardando desde 2015 para neurologia e gastroenterologia pediátrica. Os dados também mostram 1,1 mil pacientes aguardando na fila de ginecologia desde 2016.

Indo agora para as consultas de média complexidade, há especialidades com grandes filas: 6 mil pacientes aguardando por uma consulta com nutricionista; 3,5 mil pacientes, de várias faixas etárias, aguardam por neurologia; 4,3 mil pacientes aguardam por consulta com cirurgião vascular; e esses são apenas alguns exemplos.

Exames

Há um número elevado de pacientes aguardando a liberação de exames, alguns simples como ultrassonografia transvaginal (mais de 7 mil mulheres). Conforme apurado pela assessoria, esse tipo de exame não custa tão caro, na rede privada de Cascavel o valor fica na casa dos R$ 150. Assim como a ultrassonografia do aparelho urinário (fila de 4 mil pacientes), o exame no particular sai por R$ 170.

Indo para a parte dos exames de alta complexidade, há 673 pacientes na fila, a espera por uma ressonância magnética, o primeiro paciente aguarda desde dezembro de 2018. De janeiro a junho deste ano foram realizados 139 exames de ressonância magnética, neste mesmo período foram inseridos na fila 493 pacientes.

Parte destes atendimentos/exames são de responsabilidade do estado e parte do Cisop (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste do Paraná). O ofício encaminhado a Promotoria de Justiça ressalta que nas informações repassadas pela Sesau, alguns pacientes estão apenas aguardando consultas de retorno.

Diante dos dados, que para Hallberg demostram descaso com a população, o vereador pede que seja investigada a eventual falha na distribuição de consultas e exames para os pacientes de Cascavel.

Entenda

O modelo SUS de hierarquização do sistema, de referência e contra referência do paciente, procura garantir ao cidadão acesso aos serviços do sistema público de saúde, desde o mais simples até o mais complexo, de acordo com as reais necessidades do tratamento. Sendo assim, há uma hierarquização em três níveis: baixa (unidades básicas de saúde e unidades de saúde da família), média (hospitais secundários e ambulatórios de especialidades) e alta complexidade (hospitais terciários). 

Assessoria de Imprensa/Fernando Hallberg


Quer acesso em tempo real a tudo que está acontecendo sobre a COVID-19 em Cascavel?

Entre em nosso grupo de notícias no WhatsAPP!
Entrar no Grupo